“Captação internacional de recursos”. Internacionalista, você conhece essa área de trabalho?

0
1138

Internacionalistas que desejam trabalhar no terceiro setor têm que conhecer muito bem esta expressão e atividade profissional: CAPTAÇÃO INTERNACIONAL DE RECURSOS. Antes de entramos no tema, contudo, vale uma observação: é claro que captar recursos não é uma exclusividade do terceiro setor, mas esse sem dúvida é o setor que mais demanda e, por isso, foco do nosso post de hoje.

Organizações da sociedade civil precisam sempre diversificar a fonte de recurso para cumprir seus objetivos. Nesse processo de busca por capital, recorrer a recursos internacionais é uma boa alternativa, já que diversas instituições governamentais, órgãos bilaterais e ONGs internacionais disponibilizam editais de financiamento que estão acessíveis às organizações brasileiras.

Geralmente, essa atividade compete ao internacionalista, uma vez que ele é o profissional familiarizado com os organismos internacionais, além de possuir boa capacidade de elaboração de projetos e facilidade com idiomas. Por isso, nosso post de hoje é dedicado a essa área profissional que tem sido cada vez mais preenchida (e procurada) por analistas internacionais.

Duas maneiras de captar recursos internacionais

São duas as principais formas de captar recursos internacionais: (i) desenvolvendo parcerias de longo prazo com organizações financiadoras (são os chamados grantmakers), (ii) ou enviando projetos para os editais dessas e de outras organizações internacionais.

A primeira forma está cada vez mais difícil de ser encontrada, já que os grandes financiadores não têm investido por anos seguidos nas mesmas organizações. Já a segunda opção, que se trata de enviar projetos para editais de financiadores internacionais, é cada vez mais comum. Hoje são mais de 120 financiadores internacionais que disponibilizam editais para instituições brasileiras, e esse número não para de crescer.

Os financiadores são de várias origens, podendo ser agências governamentais de países ou regiões, como União Europeia (Europeiad) e Estados Unidos (USAid), bancos multilaterais, como BID e Banco Mundial, fundações, como a Fundação Bill & Melinda Gates, a maior “grantmaker” do mundo, e também ONGs de pequeno e grande porte.

Para que a captação tenha sucesso dois pontos são imprescindíveis. O primeiro é planejar de forma eficiente o envio das propostas, já que os prazos dos editais são sempre rígidos. Por isso, manter-se atualizado sobre os editais é importantíssimo. O segundo ponto é relacionado à competência profissional: o responsável precisa dominar o idioma dos editais, geralmente o inglês, e saber escrever com consistência científica.

Nosso conselho para os analistas internacionais que desejam atuar na área é desenvolver uma boa capacidade de elaboração de projetos no idioma inglês.

Onde estão os editais de financiamento internacional?

A grande dica é o site FundsForNgos (www.fundsforngos.org). Ele é gratuito e em inglês. Ao se cadastrar, você recebe um e-mail por dia com informações de editais internacionais abertos.

Há também uma excelente página brasileira que divulga essas informações. Trata-se da Associação Brasileira de Captadores de Recursos (www.captacao.org), onde se publica notícias sobre o tema, editais nacionais e internacionais, Além disso, você pode se cadastrar na página e receber um boletim com informações de financiamentos. É gratuito e em português.

Você também encontra editais no site Foundation Center (http://foundationcenter.org/), organização que reúne informações das fundações americanas que financiam projetos em todo o mundo.

Mais opções:

Capacitação

Quem quiser conhecer mais sobre a área e capacitar-se profissionalmente para tal, existem pequenos cursos e workshops sobre o tema. Basta uma pequena busca no Google ou então procure saber mais no site da ABCR – Associação Brasileira de Captadores de Recursos.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here